29/11/2010

Sem pingo de vergonha

Aquele que prometeu criar 150 mil empregos - com os resultados que se conhece - promete agora mais 120 mil só «nestas novas áreas» (energias renováveis). E ainda tem a lata de afirmar que «Os parceiros africanos podem beneficiar da experiência europeia no desenvolvimento [...] de quadros regulamentares que são apropriados à mitigação dos efeitos das alterações climáticas». Já estará a arranjar um lugar para Ascenso numa qualquer ERSE africana???

26/11/2010

Mas qual poupança?

Caro EcoTretas,
pouco importa se a "poupança" são 100, 700 ou 800, não se pode comparar um dos pratos da balança de transacções correntes com o acréscimo na factura dos consumidores.

Como escreveu a OCDE, se falamos de transacções correntes, então devemos comparar a diminuição nas importações de combustíveis com i) diminuição das exportações industriais provocadas pelo aumento do custo da energia; ii) custo de oportunidade do capital canalizado para as renováveis face, p. ex. à sua canalização para sectores exportadores.

O que se passa é que o Governo garantiu negócios em condições muito vantajosas para os operadores do cluster energético, em prejuízo dos consumidores e, tudo indica, da economia portuguesa. Essa zorreira não consegue encobrir o óbvio - mais uma vez, as decisões "estratégicas" defendem os mais fortes... basta ver as relações entre estas empresas, os reguladores e os partidos.

25/11/2010

O fim...

Comemora-se hoje a passagem de 35 anos sobre o fim do curso do Processo Revolucionário.
Tenho saudades dos slogans e dos cartazes naïfs.

(cartaz retirado daqui)

23/11/2010

Sem paz não há turismo

Em primeiro lugar, sou céptico quanto ao slogan da foto. Segundo Rui Zink, «a Comissão tem razões para acreditar na existência, sobretudo nas prósperas sociedades emergentes, de uma procura para esses mesmos produtos [turísticos num cenário de guerra]».
Não obstante, através do "PÚBLICO, com [tradutor do Google] agências", ficamos a saber que dificilmente os norte-coreanos virão fazer turismo a Portugal nos próximos tempos. Segundo a malta acima retratada, por causa da NATO. A meu ver, porque têm outros afazeres...

17/11/2010

Uma lição de Psicologia Económica

A Assembleia da República conta com um especialista em Psicologia Económica. Não só domina o conceito de "austeridade internacional", como é capaz de explicar por que "os juros sobem!". É ler aqui.

Mais uma cereja

Infelizmente há poucos Cerejos no jornalismo português.

Esta notícia enfatiza o facto de um bói ter rescindido por mútuo acordo contrato com o PS, passar a receber subsídio de desemprego e um subsídio para criar o seu posto de trabalho ilegalmente, já que exercia actividade independente na prestação de serviços de «assessoria técnica e política».

As verbas que recebeu ilegalmente serão repostas e nada de mais se passará. Da minha parte, o que me indigna são as verbas que recebe legalmente - a Câmara desembolsa quase cinco mil euros por mês para pagar a um funcionário do partido, sob o pretexto de obter assessoria política de um especialista cujo principal feito político é ter sido candidato derrotado à presidência de uma Junta de Freguesia.

14/11/2010

As minhas escolhas

TransAtlanta

Blurb, 52,35€

As aguarelas do blog de Júlio Rodrigues em livro.

Eu gosto particularmente da série de faróis, mas também me agradam muito as de Beijós, obviamente.

13/11/2010

Igualdade

«No caso dos homens, temos conseguido reduzir a percentagem de fumadores, mas nas mulheres não pára de aumentar. Como os efeitos do tabaco muitas vezes só se revelam 20 ou 30 anos depois, e como em Portugal se começou a fumar mais tarde, estamos agora a sofrer as consequências. E, se mantivermos estes comportamentos, admito que dentro de dez anos as mortes por cancro do pulmão ultrapassem as da mama [nas mulheres]».

É previsível que o número de casos nas mulheres exceda rapidamente o dos homens, já que vários estudos têm demonstrado que as mulheres têm muito mais dificuldade do que os homens para deixar de fumar.

Noutras áreas de tradicional dominância masculina, as notícias não são tão "boas". Apesar do grande esforço que as mulheres têm feito no consumo exagerado de bebidas alcoólicas, têm a desvantagem de não sentirem tanto prazer nesse consumo quanto os homens, sendo muito menos propensas ao alcoolismo. Já no que respeita às mortes na estrada, apesar da sua reconhecida (just kidding) aselhice, falta-lhes um pouco de agressividade para conseguirem um bom lugar nas estatísticas. A luta pela "igualdade" vai continuar.

11/11/2010

Ide ali almejar!

Se JDQ e RAP deixarem de escrever as suas crónicas d'a Bola por causa do intratável MST, quem perde é o jornal que foi para mim uma espécie de Livro de Leituras da 1.ª Classe e onde RAP é/ era um dos poucos cronistas que ainda faz(ia) esse serviço público que é a escrita em bom português.

09/11/2010

Sacrifício

Muitos jornalistas, comentadores e governantes (?) tugas têm dos "mercados" um entendimento de certas teologias que admitem uma expiação sacrificial das asneiras que fazemos. Apesar de tudo, creio que este livrinho antigo é capaz de explicar melhor do que o Levítico "as exigências dos mercados"...

Adenda 10-11: Nestas matérias das expiações salvíficas, ainda há profetas flexíveis - «não há nenhum limite objetivo, nem a fixação de nenhuma fronteira [os tais 7% da profecia]. A situação internacional tem evoluído muito rapidamente e as avaliações têm de ser feitas à medida que essa evolução se verifica», "desdramatizou" ontem o profeta Zacarias.

03/11/2010

Alta velocidade

«Acho incrível que um deputado, que está sempre a falar de crescimento económico, tenha como única preocupação acabar com um projecto que tem como efeito o crescimento económico, o emprego e o desenvolvimento económico». Como se diz agora, "tipo" «rara oportunidade».
Agora, as coisas que eu "acho incrível":
  1. Que em Março de 2009 o Governador Civil de Vila Real tenha dito que as obras da Linha do Corgo estariam "concluídas ainda durante o ano de 2009";
  2. Que no dia das mentiras de 2009 a Secretária de Estado dos Transportes tenha sossegado a população com a reabertura da linha do Corgo em Setembro de 2010;
  3. Que as pessoas acima referidas ainda não tenham dado explicações sobre a evidência que a foto documenta.